Publicidade

CRÍTICA

Eduardo Siqueira Campos consegue “apoio” de governistas em críticas à Agência de Fomento

O assunto foi debatido hoje na AL

18/05/16 17:51 | Atualizado em: 18/05/16 17:51

O deputado estadual da oposição, Eduardo Siqueira Campos (DEM), conseguiu o apoio de parte de seus colegas governistas às críticas que vem fazendo à Agência de Fomento do Estado. Na sessão desta matutina desta quarta-feira, 18, pelo menos dois parlamentares aliados do governo na Casa também fizeram críticas ao órgão.
 
Segundo Eduardo, o prédio onde funciona a Agência passou de R$ 7 mil para R$ 30; a compra e manutenção de um software teriam custado mais de R$ 2 milhões, e a empresa contratada para fazer limpeza e manutenção do prédio só teria apresentado seu Cadastro Nacional de Pessoa Jurídico (CNPJ).
 
Os deputados Jorge Frederico (PSC) e Elenil da Penha (PMDB) criticaram a falta de apoio aos micro e pequenos empresários de Araguaína. Segundo dados do próprio governo, no ano passado a Agência destinou pouco mais de R$ 85 mil para cidade, enquanto os de Palmas conseguiram captar cerca de R$ 9 milhões. “Os empresários de Araguaína têm capacidade, mas a Agência Fomento atende mal lá, mesmo sendo a capital econômica do Estado. Se tivesse uma logística descentralizada os recursos seriam melhor distribuídos”, disse Jorge Frederico.
 
Requerimentos
 
Os também governistas Zé Roberto (PT) e Valdemar Junior (PMDB) também cobram informações do Executivo em relação à Agência de Fomento. O peemedebista quer saber sobre o aumento do aluguel e a compra e manutenção do software, e o petista solicitou informações a respeito dos empresários que conseguiram empréstimos no órgão.
 
Defesa
 
Em defesa da Agência, a líder do governo na Casa, Valderez Castelo Branco (PP), disse que o prédio e o software são exigências do Banco Central. Entrentanto, os próprios governistas a contestaram. “Só para lhe dar um dado [à pepista], Araguaína recebeu em 2015 R$ 85 mil; Palmas, mais de R$ 9 milhões. Isso precisa ser melhor distribuído, tenha uma sala lá ou não”.