Publicidade

POLITICA

PSL ligado ao presidente Bolsonaro sofre derrota. Delegado Waldir continua líder

17/10/19 20:38:32 | Atualizado em: 17/10/19 20:43:41

O presidente Jair Bolsonaro teria atuado pessoalmente para influir no processo,  comentou um deputado do PSL. A disputa demarcou lteralmente quem é quem neste episódio: os aliados de Bolsonaro e do presidente do PSL, Luciano Bivar (PE).
 Bivar destituiu Eduardo Bolsonaro (SP) e o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) das presidências da legenda em São Paulo e no Rio de Janeiro, respectivamente. Ambos são filhos do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Outra aliada de Bolsonaro, a deputada Bia Kicis (PSL-DF) também foi removida do comando do PSL do Distrito Federal.
O deputado Delegado Waldir criticou “algumas pessoas que não respeitaram o partido, o presidente Luciano Bivar, a minha pessoa e outros parlamentares.”
Ele disse estar sofrendo uma campanha “deliberada” para prejudicar a imagem de alguns parlamentares com fake news. “Esses que estão usando esse critério, propagando difamação, até calúnia, essas pessoas sofrerão as sanções legais”, disse.
O parlamentar minimizou ainda o embate com os bolsonaristas. “Só aconteceu, o que é muito normal na democracia, uma disputa pela liderança do PSL, que é um espaço estratégico.”
Saindo vitorioso no embate, Waldir afirmou ainda que sua liderança é temporária e termina em janeiro, e que em fevereiro o partido escolherá outro líder. O parlamentar goiano disse ter começado a elaborar uma lista ao tomar conhecimento de que havia o recolhimento de assinaturas de alguns parlamentares. Apesar disso, Waldir afirmou que pretende pacificar o PSL.
“A gente sabe que houve um grande embate, muito desgaste, mas queria dizer que nós somos extremamente fiéis ao governo. Repetir: 98% fiel ao governo”, afirmou o parlamentar, que negou ter obstruído, na terça, a votação da medida provisória que reformulava a estrutura do governo.