Publicidade
Publicidade

Sustentabilidade

Projeto de irritação do Rio Formoso assina acordo com o MPTO

09/10/19 18:18:02 | Atualizado em: 09/10/19 18:18:02

O Distrito de Irrigação Rio Formoso (Dirf), entidade que congrega empresários rurais do Projeto Rio Formoso, assinou, nesta quarta-feira, 9, um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) comprometendo-se a adotar práticas agrícolas sustentáveis, principalmente no que se refere ao uso de recursos hídricos para irrigação. O acordo foi proposto pelo Ministério Público do Tocantins (MPTO), por meio da Promotoria de Justiça Regional Ambiental do Araguaia.

O acordo visa, principalmente, preservar a bacia do Rio Formoso nos períodos de estiagem, evitando as crises hídricas frequentes nestes períodos, uma vez que as águas dos rios da região têm como uso principal a irrigação.

Segundo as cláusulas do TAC, os empreendimentos agrícolas devem iniciar revezamento do uso da água a partir de 30 de junho de cada ano. Em 31 de julho, a captação deve ser suspensa, conforme preveem as licenças emitidas pelo Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins). Somente nos anos em que as chuvas superarem a média histórica de 1.400 milímetros, os empreendimentos poderão solicitar a prorrogação dos prazos para captação de água.

O acordo prevê também que os empresários rurais deverão manter em funcionamento, pelo período de cinco anos, os equipamentos que monitoram as bombas de captação de água e transmitem, em tempo real, as informações sobre o uso dos recursos hídricos.

Outra cláusula especifica, ainda, que o Distrito de Irrigação Rio Formoso deve adotar modelos e métodos sustentáveis de irrigação e de manejo de cultura das lavouras, desenvolvidos por empresas ou entidades públicas.

Ao Ministério Público, caberá fiscalizar o cumprimento do acordo. O descumprimento de qualquer obrigação estabelecida no Termo de Ajustamento de Conduta implicará a imposição de multa no valor de R$ 100 mil.

Com a assinatura do acordo, o Distrito de Irrigação Rio Formoso ficará excluído das ações judiciais coletivas propostas pelo Ministério Público referentes a captações possivelmente ilícitas de água para fins agroindustriais.