ESTADO

Polícia Civil indicia família suspeita de tráfico de drogas em Xambioá

16/05/19 09:01:50 | Atualizado em: 16/05/19 09:01:50

A Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da Delegacia de Xambioá, concluiu, nesta quarta-feira, 15, o inquérito policial que apurava o envolvimento de membros de uma família com a prática dos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico, no município localizado no norte do Estado.

De acordo com o delegado José Antônio da Silva, responsável pelo caso, os indiciamentos fazem parte da Operação Genere Male (Gene mal), que foi deflagrada ainda no mês de abril deste ano e resultou no indiciamento de quatro pessoas de uma mesma família e na prisão de duas delas.

O principal alvo da Polícia Civil era D.J. P.S., de 26 anos, atualmente recluso na Casa de Prisão Provisória de Araguaína, de onde chefiava a venda de drogas na residência de sua própria mãe, em Xambioá. As investigações revelaram ainda a existência de um "olheiro" no local para supervisionar a boca de fumo e informar sobre a presença de estranhos na vizinhança.

O vigia do ponto de vendas de drogas foi descoberto quando uma equipe de policiais civis realizava atos investigatórios nas imediações e foi hostilizada pelo homem identificado como M.A.C., de 18 anos, que, ao perceber a abordagem, armou-se com uma faca e enfrentou os agentes. Após ser contido e conduzido até a unidade policial, ele confirmou o comércio ilegal de drogas no local, mas negou sua participação na associação criminosa.

A companheira de D.J.P.S., uma mulher de inicias S.S.S., de 19 anos, também foi indiciada, após a localização e apreensão em seu poder de 44 pedras de crack, 31 papelotes de cocaína e balança de precisão, durante cumprimento de mandado de busca e apreensão em sua residência, razão pela qual foi presa em flagrante delito e encaminhada à Unidade Prisional Feminina de Babaçulândia.

No decorrer dos trabalhos policiais, também foram indiciados a mãe e o padrasto do traficante, respectivamente, E.P.S., de 44 anos, e F.N.S., de 31 anos, que cediam conscientemente a residência localizada no Bairro Alto Bonito, em Xambioá, para o comércio de drogas.

A legislação penal vigente pune o ato de ceder imóvel para o tráfico de drogas com as mesmas penas do tráfico, além disso, o imóvel ainda pode ficar sujeito a expropriação judicial pelo Estado por contrariar sua finalidade social.

O delegado José Antônio esclarece, ainda, que a mesma família sofreu busca domiciliar em operação policial deflagrada em dezembro de 2017, oportunidade em que foram presos no mesmo local o padrasto, a genitora e seus quatro filhos. Somente D.J.P.S. encontrava-se em liberdade, mas foi preso e indiciado em abril de 2019, também pela prática de atividades ilícitas no bairro.

A Polícia Civil do Tocantins reitera seu compromisso com a sociedade tocantinense e a comunidade de Xambioá, no combate à criminalidade, empreendendo todos os esforços para que os investigados recebam do poder judiciário as sanções previstas na Lei.