Educação

Manifestações contra cortes na Educação leva professores e alunos às ruas no Tocantins

Em Palmas alunos e professores foram às ruas protestar contra o anúncio de contingenciamento de gastos feito pelo ministro da Educação

15/05/19 15:51:44 | Atualizado em: 15/05/19 15:52:51

Assim como no restante do país, estudantes e professores e profissionais da educação se reuniram em frente a Assembleia Legislativa do Tocantins (AL-TO) para protestar contra os cortes anunciados pelo governo federal destinados, principalmente, as universidades públicas começaram no Estado.

Cartazes, gritos de guerra e faixas sinalizavam a inconformidade dos alunos com o anúncio feito pelo ministro Abraham Weintraub. Além dos contingenciamento de verbas destinadas a universidades federais e a programas de pesquisa, as entidades estudantis protestam contra as declarações polêmicas do ministro, que associou o corte de recursos a atos de "balbúrdia".

Dos Estados Unidos Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que as manifestações que estão ocorrendo no país em defesa de recursos para a educação são feitas por “idiotas úteis”, classificados pelo presidente como “militantes” e “massa de manobra”. Indagado sobre os protestos que acontecem nas capitais e grandes cidades do Brasil, o presidente disse que os alunos que estão nas ruas “não sabem nem a fórmula da água” e servem de instrumento político para “uma minoria espertalhona que compõe o núcleo das universidades federais”. 

Logo no início da manhã, com a greve nacional da educação marcada para esta quarta-feira, 15, alunos da Universidade Federal do Tocantins (UFT) bloquearam o portão da instituição nesta quarta. As ações fazem parte da manifestação nacional. Na UFT, os cortes do governo podem reduzir o orçamento da UFT em até 42%, o que significa R$ 18 milhões a menos ao ano. .

No Tocantins a convocação foi feita pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet).

Em Palmas na tarde desta quarta-feira, 15, está prevista um ato público em Taquaralto, com concentração às 16 horas, próximo a passarela. Em todo o Estado as escolas estão sendo mobilizadas para aderirem a paralisação geral das atividades.