Publicidade

CIDADE

Agentes de trânsito fazem fiscalização em ônibus coletivos da Capital

Alvo são os motoristas

30/05/16 08:55 | Atualizado em: 30/05/16 08:55

A Estação do Transporte Coletivo Xambioá e Krahô, recebe nesta segunda-feira, 30, uma fiscalização da Campanha Maio Amarelo que tem como alvo os motoristas dos ônibus da capital. A intenção é promover a conscientização sobre a importância do trânsito seguro, sobretudo, a não ingestão de bebida alcoólica durante o horário de trabalho. A ação já foi realizada na Estação Apinajé, região Norte da Capital, com teste de alcoolemia e verificação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) dos condutores.


Segundo informações do superintendente de Trânsito, Alexandre Guerreiro, a ação continuará acontecendo durante toda a semana e o intuito é estender a ação para mototaxistas, taxistas e motoristas de transporte escolar.


Para o estudante Francisco Júnior, a medida vai contribuir com a sensação de segurança dos passageiros. “Acho muito importante porque estamos correndo riscos diariamente no trânsito. Eu pego ônibus quatro vezes ao dia, então estou muito exposto a acidentes. Os motoristas de coletivo também precisam ser fiscalizados.”, disse.


O condutor José Rodrigues também aprovou a ação. Dirigindo ônibus há sete anos na Capital, o profissional ressaltou a importância de construir um trânsito seguro e respeitoso, com obediência às regras. “A gente se depara com muitas situações erradas, pessoas que estacionam em lugares proibidos, ultrapassam sem aviso. Nossa profissão é muito arriscada e não tenho problema nenhum em ser fiscalizado.”, declarou Rodrigues.


Maio Amarelo

A Campanha tem como proposta chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo. A Assembleia-Geral das Nações Unidas editou, em março de 2010, uma resolução definindo o período de 2011 a 2020 como a “Década de Ações para a Segurança no Trânsito”.

A intenção da ONU com a “Década de Ação para a Segurança no Trânsito” é poupar, por meio de planos nacionais, regionais e mundial, cinco milhões de vidas até 2020.

Multa

O condutor que se recusar a fazer o teste do etilômetro também incorre em multa no valor de R$ 1.915,40, mesmo valor aplicado a quem dirige alcoolizado.