Publicidade

COMPORTAMENTO

Por Lunna Dias Psicóloga e Coach

Coluna

17/01/20 17:34 | Atualizado em: 17/01/20 17:29

COMPORTAMENTO

Qual método você utiliza para tomar decisões?




Vai me dizer que você nem toma decisões? Devo lhe informar que mesmo se “esquivando” você, toma sim, decisões, mesmo que seja a decisão de não tomar decisões. Talvez você acredite que assim esteja seguro, mas após eu lhe apresentar o método de tomada de decisões é provável que você mude de ideia.
 Quando escolhemos algo, por conseguinte, acabamos deixando de escolher outras tantas coisas. Eu imagino que, por isso, muitas pessoas preferem evitar essa “fadiga”. São tantas opções, tanto jeitos de seguir a vida e, às vezes, deixá-la nos levar pode parecer mais viável e fácil. Concordo que não é fácil tomar decisões, justamente por não termos certeza se o próximo passo será melhor ou, às vezes, pior do que onde estamos.
 Mas vamos lá! Recentemente conheci Suzy Welch, escritora e Jornalista. Ela escreveu o livro 10-10-10: Hoje, amanhã e depois onde fala desse método que considero fantástico para tomada de decisões: a regra do 10/10/10. Funciona assim: está cansado do seu emprego, não se sente mais motivado e quer pedir demissão. Como você visualiza seu futuro em 10 dias? em 10 meses? E em 10 anos? Não é nada mais nada menos do que medir a decisão a curto, médio e longo prazo. Nos primeiros 10 dias ainda vai parecer estranho e você ainda estará inseguro com a decisão tomada. Em 10 meses, provavelmente, estará recolocado e cheio de energia. E em 10 anos estará completamente envolvido em novas coisas. Agora imagina se decidir continuar no emprego, daqui 10 dias você continuará desmotivado. Daqui 10 meses nem se fala. E em 10 anos terá perdido 10 anos da sua vida em algo que não é feliz. Acrescento ao método da Suzy, o método de somar a idade. Daqui a 10 anos estarei com 45 anos, mas de jeito nenhum eu vou me permitir viver uma vida medíocre até lá e se eu resolver começar algo só daqui 10 anos terei perdido 10 anos incríveis que eu poderia ter feito algo muito melhor. Agora imagina esse método com casamentos, amizades, adquirindo bens, guardando dinheiro, fazendo uma viagem e por aí vai.
 Não sei se você percebeu, mas imaginei um cenário positivo para o futuro. Mas pode ser que esses próximos dias, meses e anos não venham ser tão positivos assim, mas uma coisa é certa: você abandonou um caminho (emprego, relacionamento, whatever) que já não te fazia mais feliz. Resta agora encontrar esse novo caminho.
 Decisões não são fáceis de serem tomadas, mas são necessárias para desenharmos um futuro diferente. Você quer um futuro diferente? Tome decisões.

Sucesso!



 

10/01/20 10:37 | Atualizado em: 10/01/20 10:37

COMPORTAMENTO

Você tem medo de receber críticas? Saiba como superar este medo.


Não se preocupe! Esse é um medo normal do ser humano, segundo uma pesquisa feita por Napoleon Hill, e está junto do medo da pobreza e do medo da morte. Mas por que esse medo de críticas? Primeiramente, o ser humano como ser social tem necessidade de ser aceito e a crítica dá uma abalada nesse projeto, pois se estou sendo criticado não estou “agradando”. Em segundo lugar, receber uma crítica significa que fomos julgados e acabamos confundindo com a auto estima, sendo que é apenas uma opinião. Abala nossa segurança.
 Agora você já se perguntou por que as pessoas criticam? As críticas podem ser de 3 tipos:
-Das pessoas que te amam e querem te ajudar;
-Das pessoas que não te amam, mas querem te ajudar;
-Das pessoas que não te amam e se incomodaram com você;
Sobre as pessoas que nos amam e que só querem ajudar, às vezes elas ajudam mesmo e, em outras, podem acabar fazendo de uma forma que não é legal. Mas entenda, o modo talvez não foi o mais adequado, mas ela tinha as melhores intenções. Outras vezes a pessoa não necessariamente te ama, mas se importa com você e através do conhecimento que ela tem quer contribuir (geralmente é uma pessoa que está fazendo num nível acima, como um mentor). Já a crítica agressiva, geralmente vem de alguém que se incomodou com algo que você fez e, que provavelmente, ela não faz. Pessoas boas e desenvolvidas não param suas vidas para falar coisas negativas para alguém assim só para deixar mal, lembre-se sempre disso.
Você recebeu uma crítica e analisou que ela veio de uma fonte segura, então vamos analisar a crítica. Pegue dela o que de melhor você pode aproveitar. Isso mesmo! Se ela veio com palavras não tão doces faça você mesmo a tradução. O que você pode aproveitar dessa crítica? Qual a verdade ela traz em si? Que melhorias você pode promover com ela? E lembre-se é só uma opinião, não significa que você é um ser humano sem valor. Tenha sua auto estima positiva e não caia por isso.
Na mesma pesquisa do Napoleon Hill, que citei acima, ele descobriu que 95% das pessoas eram fracassadas em suas vidas (entenda-se como fracasso não ter um objetivo principal) ou seja tinham vidas mornas. Você gosta de café morno? E água morna você bebe? Não e ninguém gosta. Naturalmente se você começa a ser “quente” vai incomodar aqueles que não são, não conseguem e, às vezes, não querem ser quentes (e também não querem que você seja). Se está recebendo críticas é sinal que você está fazendo mais, fazendo diferente e fazendo a diferença nesse mundo.
Como já falei aqui anteriormente, quanto mais você se conhece mais você tem autoconfiança e com esse depósito em dia, criticas serão apenas opiniões, consultoria grátis ou descarrego de um ser humano que precisa de amor, pois está passando por uma jornada difícil .
Você não é mais, você não é menos, você é único!

Sucesso.
 

06/01/20 10:56 | Atualizado em: 06/01/20 10:56

COMPORTAMENTO

Pare de procrastinar! Agora!





 Se você ver essa placa na rua quando estiver dirigindo, o que faz? Para, não é? Você não é nem louco de seguir adiante. Por isso coloquei ela aqui que é para você simplesmente parar de procrastinar ao final desse artigo. Obrigada!

 Primeiro vamos entender o que é procrastinar: É deixar para depois, para o outro dia e, em alguns casos, nunca fazer. Pessoas assim se sentem frustradas, quando não estão sendo consideradas irresponsáveis. Gravíssimo na minha opinião para uma vida plena e feliz, pois compromete diversas áreas da vida. Agora, por que as pessoas procrastinam? Existem diversos fatores, mas o principal, na minha opinião de profissional da psicologia, é que geralmente as pessoas procrastinam tarefas de complexa execução (e consequentemente geram mais impacto positivo na nossa vida) por elas justamente exigirem saída da zona de conforto. E como já falei aqui anteriormente, é melhor sofrer com o que é familiar do que com algo novo. A pessoa vai adiando a atividade para o momento ideal, que nunca chega, ou menospreza a atividade, acreditando que conseguirá faze-la no tempo limite. Dai ou a pessoa não faz, e fica como irresponsável, ou faz mal feito, e fica como incompetente. Ou nunca faz e aí nem quero explicar as consequências. E aqui abro um adendo para as atividades que não estão ligadas as outras pessoas, mas à própria saúde física e psicológica. Procrastinar atividades físicas, aquele check up médico, aquela cirurgia, a visita ao psicólogo, a conversa difícil com o companheiro e por aí vai.
 E como faz para parar de procrastinar? Só tem um jeito que se chama Vai lá e faz! Mas vou te ajudar um pouco mais. Se é uma atividade que diz respeito somente a você comece se perguntando por que ela é importante? Usando o exemplo de exercícios físicos, é importante para a saúde, energia, preparo e etc. O que você ganha se começar a fazer? Saúde, energia, disposição. E o que você perde? (Sim, tudo tem ganhos e perdas) perde o tempo de ficar no celular, em frente a tv, etc. Daqui 10 anos qual das duas atividades terá lhe trazido maiores benefícios? E aí não tem mais jeito, você precisará ser um pouco mais duro com você mesmo. Adie suas recompensas, pense como será o sentimento de fracasso. Aguenta só mais um pouquinho até virar hábito e lembre-se sempre do propósito daquela atividade na sua vida. Vou compartilhar com vocês o meu método “duro” para não procrastinar. Não sorria! Sou do interior do Tocantins e lá as pessoas pegam suas cadeiras de fibra e sentam na porta ao final do dia. Eu percebia que as pessoas mais velhas, já aposentadas, sentavam na porta por mais tempo. E eu ficava imaginando quanto tempo elas tinham para pensar. Paralelo a isso eu li uma reportagem sobre pessoas em estado terminal (a beira da morte mesmo) e qual era o maior arrependimento delas: das coisas que NÃO TINHAM FEITO. Elas não estavam arrependidas por terem feito coisas, elas estavam arrependidas pelo QUE NÃO TINHAM FEITO. Na hora me lembrei daqueles idosos sentados na porta lá na minha cidade. CARACA! Eles têm praticamente o dia todo, todo dia para pensarem e se tiverem arrependimentos? Ferrou! Não quero isso para minha vida. E assim sempre que estou com medo ou com preguiça de algo me lembro que na velhice eu só quero ter boas memórias e, então, trabalho para isso. Quero que as minhas memórias na velhice sejam satisfatórias. 
 Sobre as atividades que você presta conta a outras pessoas continua no mesmo esquema. Faça! Comece pelo que é mais difícil, pois quem procrastina sabe que se começa respondendo mensagens, checando as redes sociais, arrumando a mesa, tudo que é mais fácil e que não ajuda em nada no objetivo principal.
 Para mim a vida é uma coleção de memórias com a grande vantagem que podemos escolher e desenhar as nossas próprias. Colecione boas memórias também! Primeiro o mais importante.

Sucesso!

Dúvidas e sugestões lunnadias@smartgroubrasil.com

Lunna Dias é Psicóloga, Coach atuando principalmente com desenvolvimento de Líderes, Cultura Organizacional e Comunicação. Possui MBA em Gestão de Pessoas, Especialização em Arte, Educação e Tecnologias Contemporâneas. Além de formações como Analista DISC, Cargos e Salários, Inner Game, Gestão de equipes de Alta Performance e Certificação Internacional para transformar Educação em Resultados para o negócio. Empreendedora com a Smart Group Brasil - Escola de Desenvolvimento Profissional. Já escreveu 1 livro, 1 Pitchbook e 4 e-books sobre carreira, liderança, atendimento e vendas. Atualmente é aspirante a youtuber com o canal Lunna Dias Mais. Tem 13 anos de experiência atendendo empresas no Tocantins, Goiás e Pará.



28/12/19 06:40 | Atualizado em: 28/12/19 06:40

COMPORTAMENTO

Se você não se suporta, quem conseguirá fazê-lo?




O modo com que você se relaciona consigo mesmo é o mesmo modo com que você vai se relacionar com os outros. Vivemos em uma era em que as pessoas vivem hiper conectadas, rodeada de pessoas e fugindo a qualquer custo de ficarem sozinhas, mesmo que isso implique companhias de qualidade duvidosa. Com certeza você ja viu alguém sozinho em um restaurante e pensou: “coitadinho, não tem ninguém para jantar com ele” ou você mesmo já desistiu de ir a algum lugar por não ter companhia. A nossa sociedade, de certa forma, estigmatiza (eu poderia dizer abomina) a solidão. E não falo aqui de ser solitário, mas sim de ter momentos de paz, com ausência de pessoas e de conversas consigo mesmo.
Toda esse minha reflexão vem de duas semanas aqui na Dinamarca, ao mesmo tempo, que conclui o livro O dilema do Porco Espinho: como encarar a solidão do Leandro Karnal. Aqui na Dinamarca as pessoas tem um conceito muito legal, o Hygge (palavra de difícil tradução para nossa língua) que significa algo acolhedor. Hygge é aquele momento em que eles “relaxam” em casa tomando chá ou vinho, em volta da lareira com um livro ou amigos. É um momento consigo mesmo para se curtir. Conheci várias pessoas aqui que moram completamente sozinhas e TÁ TUDO BEM. Elas possuem seus momentos de interação social, mas possuem uma rotina de afazeres com coisas que elas gostam de fazer sozinhas. Elas vão a um café sozinhas, jantam sozinhas, passeiam no parque sozinhas e se divertem. Não tem esse nosso estigma de estar sempre rodeado. Bom, essa experiência que estou vivendo mais a leitura do livro do Karnal (que inclusive deu título a este artigo) me fez chegar a seguinte conclusão: se você não gosta de ficar sozinho, também não gostará de ficar no meio de pessoas e, quase, posso apostar que você não será uma boa companhia.
É praticamente impossível se ouvir no meio da multidão. Precisamos nos afastar dela para isso. A solução é: precisamos de pausas. E eu encontrei ao menos 3 benefícios dessas pausas, ideias novas, autoconhecimento e melhor relacionamento com o próximo. Agora vamos aos “comos”. Aqui na viagem desconectada de tudo e de todos eu acabei tendo ideia de um novo negócio para 2020. Tenho certeza absoluta que essa ideia não surgiria na correria do meu dia a dia, pois você trabalha e quase não tempo de parar e refletir. Acredito que é por isso que existem as férias, você passa alguns dias desconectado do que faz e acaba oxigenando novas ideias. Para você “se ouvir” precisa estar sozinho e essa escuta que você faz de si mesmo te traz inúmeras reflexões, conclusões e até arrependimentos e decisões. Se você sabe se ouvir, consequentemente saberá ouvir as outras pessoas e assim, se relacionar melhor com elas. Você já ouviu isso, mas não nascemos com 2 ouvidos e uma boca em vão. Ouvir o outro é o que faz com que os relacionamentos fluam.
Se você se suporta a ponto de ir jantar com você mesmo, haverão muitas pessoas interessadas em fazer o mesmo. Estar sozinho em alguns momentos não quer dizer que você é solitário, quer dizer que você está tão bem que é capaz de conviver com isso sem se configurar um problema.
Fundamental é mesmo o amor próprio é possível ser feliz sozinho.

Sucesso a todos!

Dúvidas e sugestões lunnadias@smartgroubrasil.com

Lunna Dias é Psicóloga, Coach atuando principalmente com desenvolvimento de Líderes, Cultura Organizacional e Comunicação. Possui MBA em Gestão de Pessoas, Especialização em Arte, Educação e Tecnologias Contemporâneas. Além de formações como Analista DISC, Cargos e Salários, Inner Game, Gestão de equipes de Alta Performance e Certificação Internacional para transformar Educação em Resultados para o negócio. Empreendedora com a Smart Group Brasil - Escola de Desenvolvimento Profissional. Já escreveu 1 livro, 1 Pitchbook e 4 e-books sobre carreira, liderança, atendimento e vendas. Atualmente é aspirante a youtuber com o canal Lunna Dias Mais. Tem 13 anos de experiência atendendo empresas no Tocantins, Goiás e Pará.
 

21/12/19 07:09 | Atualizado em: 21/12/19 07:09

COMPORTAMENTO

Você é líder da sua própria vida? Use essas 5 técnicas


 Uma coisa que muitas pessoas gostam de fazer é falar mal dos chefes. Você sabe o porquê? Por duas razões, ou eles não estão fazendo o que deveriam fazer ou estão fazendo coisas que não deveriam fazer. É uma posição difícil, mas você já se perguntou, se você é o líder da sua própria vida? Se liderar é começar, influenciar e conduzir, você é o responsável pela condução de todos os passos em direção ao que quer? Ou é mais “deixa a vida me levar”? Se não está liderando a si mesmo, está fazendo muitas coisas que não deveria/queria/poderia e está deixando de fazer coisas que são realmente importantes.
 Identificado o problema, vamos as possíveis causas que te levaram a esse momento:
-Falta de autoconhecimento, daí você foi fazendo coisas simplesmente por fazer;
-Dificuldade em dizer não, chegando ao ponto de nem saber exatamente o que é seu e o que é do outro;
-Preguiça, decidir dá trabalho e você foi “terceirizando” as decisões da sua vida para outras pessoas;
-E mais outras coisas que você lembrou aí.
 Independente do momento em que você esteja: há solução e, vamos começar, agora a liderar essa vida através de 5 técnicas:

Motive-se! Não é dia sim, dia não, não é quando der, é TODO DIA. Ok, eu sei que não é fácil, mas também não é impossível. Estar motivado sempre faz com que você enfrente as situações com mais leveza e resiliência. O que você quer para sua vida? Aquele curso que nunca concluiu, aquela casa que você quer ter, enfim. Encontre dentro de você a energia necessária para sair do lugar. Se tiver que cair que seja pra cima!
Conheça-te! Já falei em outro artigo aqui a importância do autoconhecimento. Através dele você vai saber o seu propósito e não se desviará dele. Quem se conhece é mais seguro de si e sabe dizer não, quando é necessário.
Planeje-se! Também já falei por aqui da importância de planejar para agir. Com planejamento fica muito mais fácil organizar o que você quer fazer, pois você separa sua meta macro em micro metas possíveis e alcançáveis.
Monitore-se! Como você vai saber se está fazendo aquilo que programou? Se está atingindo as micro metas? Eu costumo fazer esse follow-up todo final de semana, pois as minhas metas são semanais e, assim, sei se estou me liderando ou me sabotando. Quando você vai monitorar?
Comunique! Além de fazer, esteja sempre comunicando ao mundo sua liderança, para que você veio e onde quer chegar. Desse modo, você vai acabar atraindo pessoas que tenham a ver com seu projeto e afastando naturalmente aquelas que não agregam. E TÁ TUDO BEM! Afinal, era esse o objetivo certo?

Liderar a si mesmo exige autorresponsabilidade (ninguém mais vai fazer por você) e autodisciplina (cumprir o que planejou). A boa notícia é que qualquer pessoa pode se tornar um líder, liderança é hábito.

Sucesso a todos!

Dúvidas e sugestões lunnadias@smartgroubrasil.com

Lunna Dias, Psicóloga, Coach, com MBA em Gestão de Pessoas, Especialização em Arte, Educação e Tecnologias Contemporâneas. Além de formações como Analista DISC, Cargos e Salários, Inner Game, Gestão de equipes de Alta Performance e Certificação Internacional para transformar Educação em Resultados para o negócio.

Empreendedora com a Smart Group Brasil - Escola de Desenvolvimento Profissional. Já escrevi 1 livro (Manual da (des) conduta: histórias e ideias para se destacar na seleção profissional), 1 Pitchbook e 4 e-books sobre carreira, liderança, atendimento e vendas. Atualmente sou aspirante a youtuber com o canal Lunna Dias Mais.

Tenho 13 anos de experiência atendendo empresas no Tocantins, Goiás e Pará com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, além de alinhamento de processos de Recursos Humanos.
 

13/12/19 11:17 | Atualizado em: 13/12/19 11:17

Pare de fugir do que não quer e comece a correr atrás do que VOCÊ QUER


Semana passada em minha rede social compartilhei o que eu estava fazendo na virada do ano de 2009/2010 (exatamente 10 anos atrás). Fiz em tom de comédia, que é uma de minhas características, mas também mostrei os aprendizados que os problemas e sofrimentos daquela época me trouxeram (término de relacionamento, pedidos de demissão e mau uso de dinheiro). Mas o que me deixou pasma foi a quantidade de mensagens que recebi de seguidores relatando desejar mudar de vida, mas não faze-lo por medo. “Não quero mais continuar esse relacionamento, mas tenho medo de ficar sozinha”, “Não aprendo nada do meu emprego, não gosto do que faço, sei que não vou crescer, mas não quero perder meus direitos”. E todos nessa situação há anos.


Fiquei tão pensativa a respeito que até estamos aqui agora falando sobre isso. Primeiro me lembrei dessa imagem:

O novo causa mais medo do que o sofrimento que tenho, mas que já conheço (afinal, é ruim, mas continuo sobrevivendo). Só que é “sobrevivendo” e não vivendo plenamente, apenas passando o tempo. E segundo, me lembrei de uma frase que sempre uso: Pare de fugir do que não quer e comece a correr atrás do que você quer. Eu passo a vida fugindo de não ficar sozinha, não ficar desempregada, ao invés de traçar metas do que de fato QUERO e correr atrás delas. Ao invés de passar a vida tentando não ficar desempregada, por que não tento aquele emprego que sempre sonhei naquela empresa bacana? Tento até conseguir. Por que não fico solteira, refaço minha vida, faço novos amigos e aí sim começo a procurar alguém que eu possa ser mais feliz? Imagina se você viver até os 100 anos e agora tem 30 (faltam 70) “sobrevivendo" com esse relacionamento ou com esse emprego? Não dá!

 Mas Lunna, o que faço então? Vamos traçar um plano para sair dessa em 2020. Fica comigo:
1. Pegue um papel e coloque exatamente TUDO que você quer. Não tenha medo e não seja modesto, sonhar pequeno e sonhar grande dá o mesmo trabalho. Aqui vou usar o exemplo de abrir um negócio, mas hoje você é empregado CLT. Seu novo negócio precisa de um espaço próprio? Ou você pode atender na casa do cliente? Ou em um espaço conjugado com outro negócio? Quanto dinheiro você precisa para isso? Do que mais você precisa? Dá para fazer uma transição trabalhando nos dois para se sentir mais seguro? (Mas não recomendo fazer isso com o relacionamento kkkk).

2.Agora vamos dividir em micro metas para 2020 (sugiro fazer isso num quadro em local visível). Suponhamos que você precisa de R$ 2.000,00? Quanto consegue guardar por mês? R$ 100,00? R$ 200,00? Seja realista. Quais outras atividades você precisa? Um curso? Distribua tudo isso ao longo dos meses de 2020 e terá uma previsão de quando seu sonho se tornará realidade. Não aceite suas próprias desculpas e só pare quando conseguir.

 Esses planos devem ser feitos por escrito, escolha seu método, mas ele precisa estar visível. Não aceite desculpas e auto sabotagem (as vozes internas vão querer que você se acomode). Não vai ser fácil, mas vai ser gratificante. E, infelizmente ou felizmente, só você pode fazer isso por você.
 Você é o único responsável pelo seu destino, o que está fazendo para que ele seja incrível?

Vem 2020!

Dúvidas e sugestões lunnadias@smartgroubrasil.com

Lunna Dias, Psicóloga, Coach, com MBA em Gestão de Pessoas, Especialização em Arte, Educação e Tecnologias Contemporâneas. Além de formações como Analista DISC, Cargos e Salários, Inner Game, Gestão de equipes de Alta Performance e Certificação Internacional para transformar Educação em Resultados para o negócio.

Empreendedora com a Smart Group Brasil - Escola de Desenvolvimento Profissional. Já escrevi 1 livro (Manual da (des) conduta: histórias e ideias para se destacar na seleção profissional), 1 Pitchbook e 4 e-books sobre carreira, liderança, atendimento e vendas. Atualmente sou aspirante a youtuber com o canal Lunna Dias Mais.

Tenho 13 anos de experiência atendendo empresas no Tocantins, Goiás e Pará com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, além de alinhamento de processos de Recursos Humanos.




06/12/19 11:55 | Atualizado em: 06/12/19 11:55

Você se conhece? Aprenda em 3 passos




 É fato que autoconhecimento é uma habilidade valorizada no mercado de trabalho muito mais até do que um MBA, mas não é só por isso que você deve buscá-lo. Quando você se conhece você sabe quais são os seus talentos - e assim procurará trabalhos que você faça bem e se destaque, ao invés de ser apenas medíocre; você também sabe seus pontos não tão fortes - e assim não investirá em áreas em que não possui os talentos necessários, ou até mesmo, poderá delegar aquilo em que não é tão bom; você sabe seu propósito - e aí não perde tempo em atividades que não estão de acordo; você sabe dizer não com segurança, pois sabe exatamente o que está fazendo e onde quer chegar. O resultado disso tudo é muita autoconfiança e segurança de si, inclusive para quando receber críticas. Agora me diz, se autoconhecimento não é vida plena e abundante?
 Se você está convencido de que há muitas vantagens em se conhecer, então vamos aprender agora como fazer isso em 3 passos:

Reflexão: a boa e velha reflexão é um excelente caminho para se conhecer melhor: como você se motiva, o que te estressa, como andam suas emoções, como se comunica, como as pessoas lhe vêem, o que você gosta de fazer, o que não gosta, como se planeja, como se organiza (se é que faz um dos dois), onde quer chegar, em que atividades gasta mais tempo, quais são aquelas que lhe dão mais prazer, etc. A lista de questionamentos é infinita e através dela você terá uma visualização melhor de si. Eu gosto de fazer por escrito, pois assim posso consultar e não deixo passar nada.
Ferramentas: utilizo muito o DISC (sigla para Dominância, Influência, Estabilidade e Conformidade) que é uma ferramenta de perfil comportamental que me mapeia completamente. Faço anualmente, pois tenho algumas mudanças de comportamento que me proponho de um ano para outro para a minha performance como líder. Também é ideal para identificar se o que você faz está de acordo com seu perfil comportamental. Outra ferramenta que gosto são livros, pois através deles faço conclusões sobre meu comportamento. Deixo aqui como sugestão dois livros onde você responde perguntas sobre si: Uma pergunta por dia e Um compromisso por dia. Vale a pena!
Terapia ou Coaching: ou ou que fique bem claro, pois uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Às vezes, sozinhos não conseguimos lidar com nossos traumas, dramas e dilemas e a terapia (com Psicólogo) é o ideal para lidar com esse passado que te impede de ir pra frente. Já o coaching é uma técnica para você atingir seus objetivos através de um auxílio profissional. Coaching bem feito faz você andar mais rápido e com direção.

 Tudo que você precisa para ter sucesso na vida sempre esteve bem aí dentro de você. Não duvide de que você é capaz de coisas incríveis!

Sucesso a todos!

Dúvidas e sugestões lunnadias@smartgroubrasil.com

Lunna Dias, Psicóloga, Coach, com MBA em Gestão de Pessoas, Especialização em Arte, Educação e Tecnologias Contemporâneas. Além de formações como Analista DISC, Cargos e Salários, Inner Game, Gestão de equipes de Alta Performance e Certificação Internacional para transformar Educação em Resultados para o negócio.

Empreendedora com a Smart Group Brasil - Escola de Desenvolvimento Profissional. Já escrevi 1 livro (Manual da (des) conduta: histórias e ideias para se destacar na seleção profissional), 1 Pitchbook e 4 e-books sobre carreira, liderança, atendimento e vendas. Atualmente sou aspirante a youtuber com o canal Lunna Dias Mais.

Tenho 13 anos de experiência atendendo empresas no Tocantins, Goiás e Pará com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, além de alinhamento de processos de Recursos Humanos.

 

29/11/19 15:10 | Atualizado em: 29/11/19 15:10

COMPORTAMENTO




Vem 2020!

E vem chegando mais um final de ano e junto com ele festas de confraternização, mensagens de reflexão, coisas que precisamos terminar e mil promessas de ano novo/vida nova. Com certeza ou você se encontra no time dos que estão muito felizes com essa passagem ou se encontra no time dos que sentem uma pontinha de tristeza com esse momento. Se está feliz é porque 2019 foi um ano legal para você e está cheio de expectativas que as coisas só melhorem. Se está um pouco triste é porquê, provavelmente, não planejou nada ou nada de muito diferente aconteceu neste ano e a sua vida continua na “mesma” de anos anteriores.
 O grande problema é que esperamos uma mudança externa para que o ano (ou até a vida) seja feliz e satisfatório e o fato é que a solução está mais perto do que pensamos: está dentro de nós! Depende somente da nossa atitute e nada mais. E depois que você aprende esse “método” a vida fica muito mais satisfatória de se viver. Gosto muito dessa oração: “Senhor, conceda-me a serenidade para aceitar aquilo que não posso mudar, a coragem para mudar o que me for possível e a sabedoria para saber discernir entre as duas.” Em resumo, é claramente: mude o que não te agrada e aceite o que você não pode mudar.
E agora falo para você que tem 10, 30, 50 ou até 90 anos de idade e está lendo esse artigo. Isso mesmo! Um 2019 meio sem graça não quer dizer que todos os próximos anos serão: SÓ DEPENDE DE VOCÊ! E não importa a sua idade ou a sua posição neste momento. Vai ser fácil? Não! Mas viver anos sem graça se repetindo também não será fácil. Então vamos começar agora? Vem comigo.
(pegue um caderninho e anote):

1. Erros: Quais foram os erros que você cometeu em 2019? Aqueles que te deixaram preocupado, sem sono e angustiado? Quais foram os comportamentos ou o que você fez para que eles acontecessem? (Eu falei que não ia ser fácil e nem adianta me dizer que não errou em nada, Sr. Perfeitão, foi com carinho❤️). Sabe aquela compra que você não precisava fazer, fez e acabou se endividando? Sabe aquele relacionamento que você sabia que não deveria continuar, mas continuou? Sabendo os caminhos que dão merda*, para que ir por esses mesmos caminhos e passar por essa merda de novo?
2. Experiências de pico: O que foi que você fez esse ano que foi incrível e sensacional? Sabe aquele dia que foi tão bom que só de lembrar você sorri? Aquele dia inteirinho com a família e amigos só jogando conversa fora? Aquela apresentação no trabalho que foi tão esperada e te rendeu uma promoção? Aquele cliente que você sonhava conquistar? Sabendo os caminhos que trazem o sucesso, por que não repetir esses mesmos caminhos afim de ter novas experiências como essas?

3. Coisas para mudar: Não tem problema nenhum se cansar de algumas coisas e querer outras, faz parte da vida. Às vezes aquele emprego já não traz mais as alegrias de antes ou até mesmo perdeu um pouco o sentido. Não espere ficar pior, planeje a mudança agora mesmo. Faça um passo a passo do que precisa ser feito.

Imagina que sensacional: não cometer mais os mesmos erros, repetir aquelas experiências que te fazem sorrir e, ainda, mudar coisas que não fazem mais sentido? Fiz esse exercício no final de 2018 e posso te garantir que estou terminando meu 2019 explodindo de felicidade por ver tudo que planejei ter dado tão certo. Experimente você também!

Você é o único responsável pelo seu destino! O que está fazendo para que ele seja incrível?
Agora sim! Vem 2020! 

22/11/19 16:10 | Atualizado em: 22/11/19 16:10

COMPORTAMENTO

Como ter conversas difíceis?


Para começar vamos definir o que é uma conversa difícil: É aquela que você passa muito tempo pensando, planejando e, às vezes, perde até o sono na expectativa de como falar e de como o outro vai reagir.

 Qual o momento certo de ter essa conversa? Se é algo que aconteceu e precisa ser resolvido logo, não resolva próximo ao evento, pois provavelmente você (e a outra pessoa) estarão carregados de emoção. O prazo é dentro das 24 horas do ocorrido, pois se passar muito tempo pode perder o sentido da conversa.

 Agora se você pode planejar o passo a passo da sua conversa e todas as possíveis respostas do outro, então as chances de sucesso são muito maiores. Pense nos prós e contras do que você vai falar e, principalmente, qual seu objetivo com esta conversa? Após a conversa, o que você pretende que o outro faça ou o que exatamente aconteça? Se você não souber o que quer como o outro vai saber? Ou como você vai ter certeza que a conversa deu certo?

 Durante o planejamento e até mesmo na conversa lembre-se que você está em missão de paz (o homem quando está em paz não quer guerra com ninguém). Além disso, se há alguém que vai ser sensato nessa conversa esse alguém é você! O outro talvez não tenha lido esse passo a passo, não é mesmo?
Evite afirmações durante a conversa, principalmente de coisas que você SÓ supõe. Faça perguntas abertas: aquelas onde a reposta não pode ser sim e nem não. O ideal é que o outro pense nas razões e fale com suas próprias palavras. De acordo com as respostas, você vai amarrando com os fatos que você trouxe (PRESTE ATENÇÃO: FATOS! Nada de sentimentos, impressões, percepções e NUNCA JAMAIS traga a fala de um terceiro para a conversa).

Bom, chegou a vez do outro falar e você vai ouvir. Se nessa primeira rodada vocês se acertarem, encerre com “Então, o que você entendeu da nossa conversa?” Isso será como um resumo e a reafirmação de que ele realmente compreendeu seu objetivo.

Finalizo dizendo que preparação nunca é demais e que o outro sempre pode te surpreender. Ainda assim, a preparação vai te ajudar a se sentir mais seguro e confiante e o melhor, aumenta suas chances de sucesso.

Sucesso a todos.
Dúvidas e sugestões lunnadias@smartgroubrasil.com
Lunna Dias, Psicóloga, Coach, com MBA em Gestão de Pessoas, Especialização em Arte, Educação e Tecnologias Contemporâneas. Além de formações como Analista DISC, Cargos e Salários, Inner Game, Gestão de equipes de Alta Performance e Certificação Internacional para transformar Educação em Resultados para o negócio.

Empreendedora com a Smart Group Brasil - Escola de Desenvolvimento Profissional. Já escrevi 1 livro (Manual da (des) conduta: histórias e ideias para se destacar na seleção profissional), 1 Pitchbook e 4 e-books sobre carreira, liderança, atendimento e vendas. Atualmente sou aspirante a youtuber com o canal Lunna Dias Mais.

Tenho 13 anos de experiência atendendo empresas no Tocantins, Goiás e Pará com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, além de alinhamento de processos de Recursos Humanos.


 

13/11/19 10:19 | Atualizado em: 14/11/19 10:16

COMPORTAMENTO

Por que algumas pessoas têm tanto medo de falar em público?


Uma pesquisa do Sunday Times de 2015 mostrou que a maioria das pessoas pesquisadas têm mais medo de falar em público do que medo de problemas financeiros e até medo da morte (https://exame.abril.com.br/negocios/dino/falar-em-publico-medo-atinge-mais-pessoas-do-que-se-pensa-shtml/).

 Mas de onde vem tanto medo? Tudo começa com um pensamento do tipo “Isso é muito difícil”, “Não tenho o dom”, “Tenho medo de passar vergonha”. Esse pensamento torna-se então uma crença limitante que gera um sentimento de medo, evitação, pavor, etc. O comportamento decorrente deste sentimento é não se expor em público, evitar momentos em que isso seja necessário. O resultado é a perda de oportunidades e o próprio desenvolvimento como profissional é afetado. Ou seja, essa crença limitante gera resultados totalmente insatisfatórios na vida de quem os tem. E o detalhe, esse resultado é baseado em algo completamente fora da realidade.

As crenças limitantes geralmente são criadas pelo Self 1 (uma conversa interna) que julgador e crítico nos faz acreditar que não somos realmente capazes ou ainda não estamos prontos o suficiente para agir. A atuação do Self 2 possibilita um agir de modo mais natural totalmente pautado nos talentos e “relax”. Imagina a imagem do diabinho e do anjinho, funciona mais ou menos assim na nossa cabeça.

Para derrubar essas crenças limitantes você precisa contestá-las e se capacitar. Contestar quer dizer não aceitar como verdadeiras argumentando com fatos contrários e, após esse exercício, se capacitar com o que você tem de melhor para fazer essa comunicação dar certo. Entenda, que independente de que situação você esteja, você já tem o que é necessário para se comunicar (comunicação, talento, algum conteúdo que você domina, etc).

Com o medo “curado” agora é partir para o treino! Sim! Não acaba aí. Os melhores comunicadores estão sempre aprimorando as técnicas de oratória para se comunicar cada vez melhor. Foco na linguagem corporal, no tom de voz, no ritmo. Faça roteiro do conteúdo que pretende falar e só improvise em último caso.
A abertura precisa envolver o público, pois nos primeiros 7 segundos as pessoas decidirão se darão atenção ou não ao restante da apresentação. Tenha um objetivo na sua fala com começo, meio e fim. Conte histórias (storytelling), pois não há nada que conecte mais nesse mundo. E treine, treine, treine…
Já ouviu falar em Elevador Pitch? É um discurso de elevador, dura o tempo que o elevador estiver em movimento (algo em torno de 30s a 2min). Se você encontrar alguém capaz de mudar a sua vida profissional, o que falaria a ela para que ela se mantenha interessada em continuar a conversa com você após o elevador parar?
Deixo como reflexão a frase de Warren Buffet “A boa capacidade de falar público aumenta o seu capital humano em 50%”.


Sucesso a todos.
Dúvidas e sugestões lunnadias@smartgroubrasil.com
Lunna Dias, Psicóloga, Coach, com MBA em Gestão de Pessoas, Especialização em Arte, Educação e Tecnologias Contemporâneas. Além de formações como Analista DISC, Cargos e Salários, Inner Game, Gestão de equipes de Alta Performance e Certificação Internacional para transformar Educação em Resultados para o negócio.

Empreendedora com a Smart Group Brasil - Escola de Desenvolvimento Profissional. Já escrevi 1 livro (Manual da (des) conduta: histórias e ideias para se destacar na seleção profissional), 1 Pitchbook e 4 e-books sobre carreira, liderança, atendimento e vendas. Atualmente sou aspirante a youtuber com o canal Lunna Dias Mais.

Tenho 13 anos de experiência atendendo empresas no Tocantins, Goiás e Pará com Treinamento e Desenvolvimento de pessoas, Educação Corporativa, além de alinhamento de processos de Recursos Humanos.